11 de ago de 2009

penúltimas ofertas.

E me diga por quanto a minha paz tem sido protestada no cartório? soube por alto que o banco inglês tem dado lances estratosféricos pelas minhas manhãs de sol em que observaria a poeira dançando calma pela luz vazada da janela do meu quarto, mas o outro espanhol arrematou a bebedeira com piadas histéricas numa socada só: "El inferno es real, yo lo se".

o atacado de existencialismo me mandou uma oferta imperdível pelo correio: Não perca, queima de estoque de nauseas prêt-à-porter com o primeiro pagamento somente na primavera - a taxa de juros estava em letras microscópicas no rodapé. Não, obrigada, prefiro pagar a vista.

assisto ao anúncio da nova margarina com zero porcento de colesterol. havia uma moça sorridente de calça branca pedalando uma bicicleta com fartas margaridas na cestinha. vou mandar buscar isso tudo na vendinha do seu guilherme que ainda enrola suas mercadorias em papel de seda e vende um trago da cirrose ardida por cinquentinha. mas já penhoraram o sabor da tubaína sabatina no tempo da catequese cabulada. no lugar da vendinha, uma revenda de carros semi-novos com ursinho pooh no capô:

la garantia soy yo.

_ Bom dia, meu nome é Sheylla, estou entrando em contato referente a uma parcela dos seus passeios em que você andando assim displicentemente sente a preciosa felicidade de viver e ser o que você é que está em aberto em nosso sistema.
_ Sheylla, escuta, esse sentimento durou muito pouco por isso quero desistir da compra.
_ Senhora, pelo plano que foi contratado, há uma fidelidade vitalícia.
_ É mesmo?
_ Sim. Se a senhora quiser, eu vou estar enviando uma proposta de renegociação.
_ Sheylla, eu posso trocar o produto pela sensação de ser completo pelas pessoas que me amam de fato?
_ Olha, nesse caso poderia incluir esse plano adicional ao seu pacote, mas então teria uma taxa de serviço de 10% e multa contratual em caso de desistência.
_ Mas escuta, e se essas pessoas morrerem?
_ No caso de morte natural nós mandamos pessoas sobressalentes que preencherão o vazio. Já em caso de assassinato ou acidentes, teremos de abrir um processo de reclamação para a gente estar analisando criteriosamente se houve fraude no falecimento dessas peças e a senhora terá de passar por uma perícia minuciosa para a gente estar verificando se de fato a senhora estava usufruindo dessas relações como rege o contrato vigente.
_ E se eu morrer?
_ Se a senhora morrer antes do término do prazo acordado, a senhora será multada pela infração contratual.
_ E o que acontece?
_ A sua reputação será inclusa ao cadastro de proteção a vida que poderia ter sido e não foi de forma que a senhora será relembrada com aspectos não muito positivos por aqueles que tiveram algum contato com a senhora e permanecerem vivos.
_ E quando essa pendência caduca?
_ Só um momento que preciso consultar o meu supervisor.
[sete minutos depois]
_ Alô?! Senhora?!
_ Sim, estou aqui.
_ Me perdoe a demora e muito obrigada por aguardar. Em relação a sua pergunta, a débito só caduca quando todas as pessoas que a senhora conheceu ou que ouviu falar postumamente na senhora morrerem e a senhora não for absolutamente nada além do esquecimento iminente.
_ Me parece razoável.
_ A senhora vai contratar o serviço?
_ Sim, por favor.
_ Qual a forma de pagamento?
_ Olha, o meu sossego já está estourado. Posso pagar com as minhas noites bem dormidas?
_ Noites bem dormidas terá um acrésmimo pelo seguro anti-tranquilizantes, ok?
_ Como é esse seguro?
_ O seguro garante que se a senhora atrasar o pagamento com tranquilizantes o efeito seja potencializado e a senhora sinta em vez de sono, um acréscimo de preocupação em três vezes mais a cada noite.
_ Ah, certo, Sheylla. Fecha o pacote.
_ A Vida Ltda. agradece o contato.


eu que agradeço.