8 de dez de 2015

repriso

e repriso _ Não por dentro corpo e suas dimensões, mas exatamente no meio dessa noite recortando sombras, esperando vozes quando o que essas mãos poderiam fazer é afiar as lâminas do resto das horas.
e repriso _ Não pelo suor que escorre o resto de pele, mas pelas unhas que arranham as dobras que me cobrem enquanto contorno marcas que nivelam o desespero, o tempo, a persistência depois daquilo que não ficou.
e repriso _ Não pelo chamado oco, mas pelas cordas que prosseguem tensas, o volume da minha respiração que assusta quando suspendo o próximo segundo antes de reprisar:
_ Não pelo grito, não pela rua, não por ninguém, mas pelo o que não pode ouvir através da porta que mantém o que seria e encerra em suas extremidades o que não quero responder:
repriso.

6 de dez de 2015

Quisera

Deixo pra depois
o toque que ainda
não decorei
e se essa noite infida
te falasse de tudo que sei
o que rompe aquilo que queria
e completa o
que decorei
e acaricia pelas horas
o que deixei
afora o teu nome
que te dei
e toda a minha fome
que me acompanha
pelas partes que deixei torta
diante do som que arranha
as margens que caminhei
pela curvas que borra
a poesia de ninguém
mas volto no ritmo
além
o movimento dos lábios
o som que desvia
Esse jeito que seria
eu só e o que faria
de mim mais de ninguém.